HIPERADRENOCORTICISMO ATÍPICO

 

As adrenais produzem diversos precursores na via de síntese hormonal.

Veja as consequências das alterações em outros hormônios que não o Cortisol...

O cortisol é comumente o principal hormônio envolvido nos quadros de Hiperadrenocorticismo (HAC), mas, em alguns animais, encontra-se dentro dos valores de referência da normalidade, apesar da presença de manifestações clínicas compatíveis com a doença. A partir da mensuração de outros hormônios esteroides adrenocorticais, percebeu-se que a alteração pode estar associada a um aumento em um ou mais hormônios adrenais (outros que não o cortisol, inclusive de seus precursores). O aumento de outros esteroides, que não o cortisol, está associado a uma série de condições descritas, dentre elas o chamado HAC Atípico, em que muitas das manifestações clínicas e alterações da bioquímica sérica do HAC estão presentes e são responsivos ao tratamento usualmente empregado no HAC (CATHARINE, 2009). Outras condições associadas ao aumento de outros hormônios da via esteroidogênica adrenocortical são a SARDS (Suddenly Acquired Retinal Degeneration Syndrome), a Alopecia X, o Hiperaldosteronismo e o Hiperestrogenismo (FELDMAN, 2004a; OLIVER 2007; CATHARINE, 2009). O conhecimento atual sobre o assunto, inclusive o papel dos outros hormônios da via esteroidal no desenvolvimento de manifestações clínicas, está em desenvolvimento e  ainda é fruto de discussão.

 


QUANDO DESCONFIAR:

 

  • testes de função adrenal (supressão e estimulação) negativos

  • aumento da Fosfatase Alcalina (nem sempre);

  • abdomen abaulado, distendido, com conformação pendular;

  • polifagia: o HAC é uma das poucas doenças que envolvem o aumento de peso;

  • pele (melhor visualizada no abdômen) distrófica (fina, semelhante a pergaminho);

  • infecções urinárias recorrentes;

  • Poliúria e Polidipsia: o excesso de produção de urina leva à sede excessiva;

  • Alopecia: a perda ou rarefação da pelagem é simétrica e bilateral;

  • infecções de pele;

  • alterações na ultrassonografia: hepatomegalia  com ecogenicidade alterada, algumas vezes esplenomegalia. Adrenais medindo mais de 0,5cm de largura (seja nos polos ou no corpo das adrenais) é sugestivo de hiperfunção;

  • hipertensão arterial;

  • problemas de locomoção/diminuição da agilidade (devido à perda muscular);

 

 

DIAGNÓSTICO:

 

O exame mais completo disponível para o diagnóstico do HAC Atípico é o Painel Adrenal (no Brasil chamado de Painel Androgênico), que mensura as concentrações basais e pós-ACTH de 7 hormônios adrenais. As amostras são enviadas para a Universidade do Tenesse (único laboratório americano que realiza o exame) e o resultado demora de 30 a 60 dias. O custo é de aproximadamente R$500,00.

Como alternativa, mais barata e rápida, pode-se realizar a mensuração da 17 OH-Progesterona (basal e pós-ACTH), visto que este hormônio encontra-se aumentado na maioria dos casos de HAC Atípico.

 

 

A VIA ESTEROIDOGÊNICA ADRENAL

 

“O conhecimento científico é um conjunto de afirmações de graus variados de certeza – algumas mais incertas, algumas quase certas, nenhuma absolutamente certa.” (RICHARD P. FEYNMAN, tradução nossa)

 

Nos trabalhos científicos publicados sobre problemas funcionais das adrenais, nos deparamos, em geral, com esquemas bastante simplificados da via esteroidogênica adrenocortical, compreendendo apenas uma fração dos precursores e transformações enzimáticas necessários na produção do cortisol, aldosterona e andrógenos. Esta simplificação tem objetivos didáticos, mas também demonstra a atual incerteza acerca do papel biológico de muitos dos esteroides intermediários e das transformações enzimáticas envolvidas em sua produção. O conhecimento atual sobre algumas condições clínicas e a ação terapêutica de algumas substâncias muitas vezes parece contradizer o entendimento atual da via de produção esteroide adrenocortical e os efeitos biológicos de determinados precursores intermediários, dificultando não só a compreensão da ação de determinados medicamentos como também o diagnóstico de quadros complexos, notadamente o chamado HAC Atípico. Na FIGURA 1 resumimos a via esteroidogênica adrenocortical, com algumas reações e precursores não usualmente descritos, visando não só uma maior elucidação, mas também a demonstração da necessidade de maiores estudos, já suscitada por outros autores (ZACHMANN, 1995; LIEBERMANN, 1990).

 

FIGURA 1. VIA ESTEROIDOGÊNICA ADRENAL: Hormônios são representados em retângulos, enzimas nas formas circulares, enquanto as reações por elas catalisadas estão indicadas por setas da mesma cor. Precursores mineralocorticoides estão em azul; glicocorticoides em verde; andrógenos em vermelho (há sobreposição entre seus precursores). (BAPTISTA, A.B., 2012)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para quem quiser se aprofundar no assunto, na página de LIVROS e ARTIGOS é possível fazer o download do meu TCC, que discute um caso de HAC Atípico e possui uma extensa revisão bibliográfica sofre o assunto:

 

 

 

 

Endocrinologia

Veterinária.com 

M.V. MSc.
Alexandre Bastos Baptista

 

 

  • Facebook Metallic